terça-feira, 22 de setembro de 2009

Cega-me a foice…



As terras áridas de centeio
correm-me nas veias
o negro espalha-se
pelos campos da fome,
gela-me o frio
sobre as palhas
do trigo sem sustento.
.
.
Cega-me a foice…
…na cegueira da colheita
.
.
Os ma trigais secaram
na boca de quem as alimenta,
as mãos enrugadas
carregam o fardo
no vazio das cinzas avermelhadas
queimadas em solidão.
.
.
Cega-me a foice…
…na cegueira do nada
que me resta.

6 comentários:

Fernanda - menina descalça disse...

Olá Conceição !!!

"Cega-me a foice…
…na cegueira do nada
que me resta."

Linda poesia !!!

Beijos e uma ótima semana pra ti...

Fernanda

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Belo e forte o seu poema!!!

"Cega-me a foice…
…na cegueira da colheita"

Muito bonito!

Um beijo!

Sonia Regina.

Cris disse...

Segundo o Tribunal Reginal do Trabalho de Bahia- Brasil: A nova escravidão, que aprisiona pessoas miseráveis pelas dívidas, é mais vantajosa para os empresários que a da época do Brasil Colônia e do Império, pelo menos do ponto de vista financeiro e operacional.
No es una noticia optimista ante un problema que afecta principalmente a la raza negra en todo el mundo.
Cariños

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazon
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG:
AMANHECER -PALAVRAS OUSADAS




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesia ...


AFECTUOSAMENTE
AMANHECER -PALAVRAS OUSADAS




jose
ramon...

Daniel Aladiah disse...

Querida Conceição
Uma luta que não é isolada, pois todo o mundo está com possibilidade de abrir os olhos....
Um beijo
Daniel

ÞrincessFaßiana disse...

Palavras certas, pois a cegueira de não se querer ver aquilo que está á frente dos nossos olhos é a que mais cega ...
Beijinhos da Fabi ***