sexta-feira, 19 de março de 2010

Cospem raiva como cães


Quando a ignorância
incensa a supremacia de um ser despótico …
…soltam-se ditongos.

Em forma de arame farpado
a carne é consumida
libam os ossos
bafejam as cinzas.

Cospem raiva como cães
estrugindo os dentes afiados
a raças desiguais.

4 comentários:

Carmem L Vilanova disse...

Lindo e extremamente triste ao mesmo tempo, amiga!
Parabéns por tua escrita sempre bela!
Beijos, flores e muitos sorrisos...

natalia nuno disse...

Foi um prazer descobrir-te por aqui.
Hoje ao ler-te no Luso, decidi vir espreitar. É muito bom o que escreves, nem me atrevo a comentar,
passo para te dizer que te admiro.

beijinho

Daniel Aladiah disse...

Querida Conceição
Às vezes a raiva atinge-nos com toda essa força...
Um beijo
Daniel

Ricardo Calmon disse...

Contundentes palavras, em poética profunda!

Bem vinda aos campos meus de girassois!

Viva La Vida!