terça-feira, 26 de outubro de 2010

ainda ontem saltei o muro de Berlim





Dói-me a morte

nesta réstia de vida que desconheço

onde os rostos desfocados

se reproduzem na cal,

em papéis impressos num registo qualquer

onde habita o medo,



ainda ontem saltei o muro de Berlim


A paisagem decompõe-se

e outro muro mais alto se levanta

nesta terra improdutiva,

onde os ossos são visíveis a olho nu.



Levem-me este corpo

onde a vida pernoita, em limos incendiados

tolhida no último fio de tinta,



ainda ontem saltei o muro de Berlim


3 comentários:

Gisa disse...

Obstáculos intransponíveis ou a serem transpostos? Acreditando sempre, vai-se bem além do que se imagina
Um bj.

Michel Edere disse...

Touché

Anónimo disse...

Si, probabilmente lo e