sábado, 17 de dezembro de 2011

Etiópia, a última ceia




Aperta-me as mãos, estão geladas
ainda que não as sintas, aperta-mas,
são elas que carregam o pão, da última ceia
deste ventre inchado, onde as moscas acasalam
na aresta da lágrima que desenha os meus olhos.

A vida escoa-se, a viagem dilata-se
entre a correria apressada dos corpos
onde os oceanos são feitos de terra amarelecida
e os glaciares infaustos, aperta-me as mãos
antes que o sol se ponha e nos vista de medo.

Mãe negra,
é breve o teu lamento…ouço-as, gritam,
num círculo fechado, na cartilagem das sílabas
escritas, vendadas pelo sangue frio
que carregas nas mãos, a fome.


Conceição Bernardino
 

5 comentários:

Aníbal Raposo disse...

Lindo poema para um mundo cão.
Beijos

vieira calado disse...

Olá, amiga!

Dada a quadra que atravessamos hoje

é só para lhe enviar os meus votos de

FELIZ NATAL.

As minhas mais cordiais saudações.

Luíz Sommerville Junior disse...

Olá, amiga poeta! Tem um presente de Natal para você no Távola de Estrelas!Desejamos a você votos dum Natal muito Feliz e de um Ano Novo Maravilhoso!

beijos,

JouElam & Dani

Távola de Estrelas: http://jorgemanueledanieledallavecchia.blogspot.com/2011/12/um-selinho-pra-voce.html

Nilson Barcelli disse...

Excelente poema.
Querida amiga Conceição, desejo que tenhas um Feliz Natal e um Novo Ano cheio de coisas boas, para ti e para a tua família.
Muitas prendas, principalmente afectivas.
Beijo.

Daniel Aladiah disse...

Querida Conceição
Um belo 2012!
Beijo
Daniel